Número total de visualizações de página

domingo, 18 de novembro de 2012

14 de Novembro

Não esquecerei os gritos de uma mulher ali ao lado cujo rosto nunca vi
porque tinha o rosto coberto a espera de mais pancadas
Não esquecerei a certeza ao correr de que nos esmagaríamos uns aos outros,
Não esquecerei os 2 metros do fosso e a escolha entre partir as pernas
e partirem me a cabeça,
Não esquecerei o som dos corpos a cair, nem a visão de gente a cair de costas,
Não esquecerei o ódio no olhar e nas palavras do polícia que me
agrediu e o sabor do meu próprio sangue,
Não esquecerei a raiva de ver gente inocente prostrada pela violência
dos bastões,como se a violência dos dias de austeridade não fosse
suficiente
Não esquecerei a angústia dos camaradas desaparecidos, o imaginar
sortes piores que uma cabeça ferida
Não esquecerei a fuga pelas ruas e o receio que um uniforme dobrasse a esquina,
Não esquecerei as histórias vindas de Monsanto, do Calvário, o medo de
um iminente regresso ao passado

Nem quero esquecer...
E porque só não é livre, quem não continuar a lutar
Voltarei a São Bento.

Sem comentários:

Enviar um comentário