Número total de visualizações de página

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Qual é a realidade e qual a ficção digna de um óscar?


Entrámos agora e provavelmente até às eleições Europeias num período de boas notícias em que o mundo é cor-de-rosa (ou Laranja e Azul) e nada de mau acontece. É verdade, parece que a crise acabou, toda a gente tem emprego, ninguém emigra, a taxa de suicídios diminui e quem diz o contrário ou é apelidado de mentiroso ou de pessimista (verdadeiro insulto nestes dias). Mas qual é a realidade? A realidade é bem mais dura. A realidade é a da fuga massiva de um País que não dá qualquer réstia de esperança num futuro melhor e de onde nos últimos anos têm saído uma média de 300 pessoas por dia, e em que só neste ano que passou de 2013 saíram entre 100 mil a 120 mil. Só estes números bastam para deitar por terra as "pseudo-descidas" do desemprego, às quais vêm logo os ministros todos e o presidente da república dizer que é extremamente positivo, que é um verdadeiro milagre económico. A verdade é esta, o desemprego supostamente diminuiu 96 mil em 2013....mesmo ano em que emigraram 100 a 120 mil pessoas, o que com contas básicas (não preciso de curso de economia para isso) se consegue ver que na realidade o desemprego não baixou e não estamos melhor mas sim pior. Não é pessimismo, mas sim realismo, e ver que por cada pessoa que é obrigada a emigrar ficamos mais pobres. Mais pobres, porque o investimento que foi feito na educação é mandado para fora e não é aproveitado pelo próprio país. Mais pobres, porque famílias são separadas, avós separados dos netos, pais separados dos filhos e famílias que não podem viver no sítio onde tinham vontade. Este é o resultado do empobrecimento prometido (esta sim ele cumpriu) por Pedro Passos Coelho. Deixo apenas mais um artigo que explica um pouco a "descida" do desemprego e que é de um sítio que não podem acusar de nada, pois é um jornal da "área económica", e que pode ser lido aqui.


Sem comentários:

Enviar um comentário