Número total de visualizações de página

terça-feira, 9 de agosto de 2011

A grande mentira – 80 anos de história

De à 80 anos para cá é inegável o progresso tecnológico e do padrão de vida que ocorreu. Mas uma coisa continua imutável...a mentira de quem governa para tentar acalmar quem os elege quando se protesta contra o que não está correcto. Há cerca de 80 anos estávamos em 1929 quando estalou o crash bolsista mais conhecido da história e que precipitou a crise de imediato, sendo desde esse momento o descalabro que levou à II Guerra Mundial. Até aqui parece tudo bem, e digo parece porque é precisamente isso...apenas parece. Com este texto pretendo levar (quem quiser) a uma viagem à história económica recente e passada, então comecemos...

Em 24 de Outubro de 1929 foi o dia popularmente conhecido como a “quinta-feira negra”, em que seguindo a queda da produção industrial, wall street teve uma queda histórica. Isto pode ligar-se à crise vivida desde 2008 em que se vive de queda em queda das bolsas mundiais até ao dia em que pode ter novamente uma queda abismal. Mas vamos a um facto interessante, a crise de 1929 acabou por ser medianamente resolvida nos anos de 1929 a 1931 com diversas alterações nas taxas directoras dos juros. Agora...vamos a ver o que se passou em 1931 para que isto ficasse conhecido com “A grande depressão”...

A 11 de Maio de 1931 Credit-Anstalt um banco Austríaco e que tinha sido fundado no império Austro-Húngaro e que se ocupava em gerir as fortunas da nobreza local declarou subitamente falência, arrastando consigo as fortunas daquele país. Mas o que tem um banco de um pequeno país europeu a ver com esta crise?? É aí que a situação se torna interessante, pois o governo austríaco apoiou o banco “resgatando-o” (estamos fartos desta palavra não é verdade??) e provocando dúvidas sobre a estabilidade financeira da Áustria. Após discussões entre a França e a Alemanha sobre o resgate da Áustria se terem revelado infrutíferas e portanto o país ter sido declarado insolvente. Essa insolvência afectou gravemente as finanças da Alemanha pois os seus bancos estavam amplamente expostos à dívida austríaca. Esta exposição Alemã afectou a Inglaterra que dependia de pagamentos da Alemanha e portanto a Inglaterra viu-se também atacada por especuladores. E esta crise estendeu-se à Europa toda e a todo o mundo financeiro da altura tornando a crise de certa maneira impossível de resolver o que veio a dar na II Guerra Mundial.

E agora o que esta situação tem a ver com a realidade actual?? Pois, em 2008 tivemos um autêntico crash bolsista que foi debelado com medidas de salvamento dos bancos, descida das taxas de juro, corte de subsídios e de direitos adquiridos e que levaram à actual situação em que os especuladores atacam os países uns a seguir aos outros...tendo começado a atacar também pela Europa e por países pequenos, em 1931 foi a Áustria (2 anos após 1929) e em 2010 (2 anos após 2008) foi a Grécia. Estes países pequenos tiveram de ser resgatados levando novamente a reuniões entre a França e a Alemanha muitas vezes infrutíferas. Neste momento países como a Itália ou a Espanha já estão sobre ataque e as bolsas reagem em pânico à baixa de rating dos EUA, se a história voltar a seguir o mesmo rumo e não tivermos líderes que se lembrem que não é bom esquecer o passado, iremos ver em pouco tempo uma recessão de proporções inimagináveis e o ressurgimento de nacionalismos (que já se estão a ver) que poderão levar a algo de proporções inimagináveis. Portanto,penso que os governos se deviam entender sobre um plano alargado de estímulo das economias de modo a fomentar crescimento económico e não as actuais políticas de recessão certa.

Sem comentários:

Enviar um comentário