Número total de visualizações de página

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

O povo em luta!

Há poucos dias, um ministro da nossa praça veio afirmar publicamente que “o povo é manso”, fazendo uma apologia da passividade dos portugueses como se fossem criaturas amorfas e desprovidas de vontade e opinião e avançassem como cordeiros para o matadouro. Talvez o Sr. Ministro queira rever agora as suas declarações após os ataques a caçadeira e fogo posto às portagens da A22, no Algarve. Há que ser solidário com um povo que se revolta ao ver que a única estrada decente da região que utilizam sem cessar para ir trabalhar lhes vai ser taxada e com valores exorbitantes para quem lá passa todos os dias. Se quem mora na periferia de Lisboa, tivesse que pagar todos os dias para entrar em Lisboa, a reacção seria talvez semelhante…

As medidas do Governo têm sido um ataque violento e permanente à já parca qualidade de vida dos cidadãos. O governo não tem deixado de atacar nenhum sector.

A Saúde sofreu aumentos na ordem dos 100% nas taxas moderadoras.

A educação está a sofrer cortes nunca antes vistos e que estão a dar passos óbvios na via da privatização do ensino e na elitização de faculdades.

Os transportes são cada vez menos um serviço e passam a ser um negócio para entregar a privados sobrecarregando os utentes com passes aumentados 4 vezes num ano. O povo usa os transportes para se deslocar para os seus empregos e escolas, sendo que cada aumento significa um violento abalo nos orçamentos familiares.

Quando cidadãos legitimamente se manifestam contra o governo são reprimidos e os vários responsáveis prestam declarações apoiando acções ilícitas por parte de agentes de autoridade, como se verificou a 24 de Novembro com a condenação de 2 manifestantes a penas suspensas num tempo recorde de 3 semanas.

Não estará em boa altura de o governo fazer um exame de consciência e perceber o abismo em que entramos, a espiral descendente que iniciámos e que só nos conduzirá à tragédia grega? Será que não deverá cogitar se realmente quer atiçar a ira do povo?

Se a resposta for que o governo está convencido da sua invencibilidade, o povo que já deu sinais de não ser o cordeiro do sacrifício, vai deixar a sua vontade explícita de formas que talvez venham a desembocar em situações que se desejaria evitar, mas que se tornarão inevitáveis. Como dizia o Presidente Kennedy, quem reprime a expressão democrática pacífica acaba por provocar revoluções violentas.

O Contra posicionar-se-á sempre em defesa da vontade soberana do povo.

Dia 21 saímos novamente à rua com a Plataforma 15O. As ruas são nossas!

Sem comentários:

Enviar um comentário